BLOG

PSICANÁLISE

imagem blog psica

A Ânsia de Amar

5b56e6_c4875741bf02441d9b200a013d4e0ef7_mv2

Porque amar dá trabalho, como já se disse tanto? Será que não conseguimos, também no amor, dar um jeitinho?… Parece que ele nos implica de todo, fazendo com que o que mais sonhamos obter por sua via possa, em um instante, se tornar um mar de tormentos e ansiedades que nos paralisam.

Porque algo que imaginamos tão bom pode afligir tanto?

Talvez algumas significações possíveis para a palavra ansiedade possam pavimentar um pouco o caminho de nossa reflexão.

Podemos pensar em ansiedade no sentido de um “ansiar por algo”, buscar algo na relação com alguém. Podemos também lembrar um outro sentido na raiz da palavra ansiedade, que é a “ânsia de algo”, o que nos causa uma espécie de reação de repulsa e expulsão.

Se esses dois sentidos da palavra possam parecer antagônicos, no que diz respeito à sua dimensão semântica, podemos suspeitar certamente que no que tange à experiência amorosa tais antagonismos são vividos de maneira bastante ambígua.

De fato, na medida em que no amor o conjunto de mitos que fundam nossa subjetividade se repõe na relação com o outro amado, o que se coloca para o amante é o enfrentamento, no acontecer da experiência amorosa, de toda uma gama de conflitos, impasses, frustrações, buscas, expectativas, dentre muitas outras experiências psíquicas de si. No amor, o si-mesmo se desconhece, para no encontro com a diferença do outro amado vir a descobrir e realizar outras dimensões de si.

Esta experiência não se dá sem conflitos, porque a experiência de aspectos de si desconhecidos no acontecer do amor coloca as certezas do sujeito sobre si-mesmo em jogo. Assim, amar é um exercício de colocar em suspenso muitas de nossas crenças narcísicas sobre nós mesmos, pela promessa de descobrir e experimentar outras “coisas” de si que podem oferecer novos amparos para nossa imagem própria…

No amor, desta forma, podemos nos defrontar com aspectos que nos causam ânsia, que buscamos não reconhecer como nossos, expulsar de nossa responsabilização, no exercício máximo do aprendizado de si que é a sustentação do enigma que é sempre nosso “si-mesmo”, posto pela relação amante-amado.

O que mais ansiamos por, o que mais buscamos viver, o amor, pode ser assim também o passaporte para o enfrentamento do que não nos permite suportar sua própria realização, nossa incapacidade de suportar o enigma do que nos constitui enquanto sujeitos humanos, qual seja nossa diferença intrínseca em relação a nós mesmos.

Suportar disparidades em si, de si, faculta ao amante a experiência do que o romance de Milan Kundera coloca como a insustentável leveza do ser, leveza que pesa, porque não passível de ser circunscrita e delimitada em certezas de si.

Você está à altura dos seus sonhos de amor? Pode suportar as questões que ele coloca sobre si, na vivência dos enigmas de si, pela incapacidade de obter respostas que te ofereçam pilares sólidos que possam esgotar o que pode ver de si e garantam sua tranqüilidade?

 

Luís Henrique M. Novaes

Luís Henrique M. Novaes

Psicanalista, Bacharelado em Psicologia (USP), com formações complementares e participação no Laboratório de Psicopatologia Fundamental (Universidade Paris 7, Denis Diderot), na Biblioteca Freudiana Brasileira-SP, diretor do Departamento de Psicanálise e Psicossomática do Centro Médico de Ribeirão Preto, presidente da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (Regional Ribeirão Preto) e análise de formação com Dr.Renato Mezan – SP.

Compartilhe nas suas redes:

Conheça nosso Programa de Formação Psicanalítica

02-botão psicanálise sem escrito

Psicanálise

Formação de Psicanalistas para atuação no ofício clínico.

Cadastre-se em nosso Blog

Receba nossos conteúdos

Leia mais...

2-Imagem do Curso de Introdução à Psicanálise

Coragem para Pensar o Novo

Ao pensar e articular conceitualmente o que ele vivenciou nas suas investigações clínicas, formulou uma sistematização conceitual criando um campo meta psicológico

5b56e6_c37ea62004044bc986f53ff9a72b2a24_mv2

A Angústia Nossa de Cada Dia

Parece que dentre o campo de afetos experimentados pelos sujeitos em nossa cultura, o medo tem certamente um lugar muito especial.

pexels-cottonbro-4980318

O Inconsciente e a Sexualidade

Ele deu ouvidos ao drama, à loucura, ao êxtase histérico, ao campo da sexualidade…

pexels-cottonbro-4101143

Quanto ganha um(a) Psicanalista?

Psicanalistas que trabalham com atendimento clínico em consultórios, recebem até…